O blogue serve para dar voz e partilhar os meus escritos sejam poemas, prosas e crónicas ou outro qualquer género literário. Aqui também se divulgam os meus livros. Para quem quiser ler-me... Obrigado pela vossa carinhosa presença!
01 de Novembro de 2010

1.

 

Estávamos numa roda de amigos, em plena rua junto ao café do bairro, quando um deles pediu a nossa atenção:

- Desculpem-me, façam silêncio, por favor… disse o António

E todos fizemos uma pausa, na palavra, no olhar e na atenção, para que o momento seguisse ao sabor de quem o queria fazer.

- Quero fazer-vos uma pergunta. Pensem na minha pergunta em silêncio, se fazem o favor, e respondam ponderadamente. A pergunta é a seguinte: Porque escreves? – Dirigindo, de seguida, o olhar a cada um da roda em jeito de desafio.

Continuou:

Eu já publiquei um livro. O Eduardo outro. A Ana já vai no terceiro. O Jeremias vai lançar o seu sexto livro. A Manuela acabou de apresentar o seu segundo e ao que parece continua com vontade de publicar mais e o Afonso têm cinco livros e diz-nos que acabou!

Mais silêncio… agora com os olhares a trocarem missivas por descodificar…

- Eu escrevo por amor, amor a cada gesto e a cada palavra! – disse Ana. – É uma boa razão, não é?

Fez-se de novo um silêncio apenas atrapalhado pelos poucos carros que passavam.

Escrevo porque preciso de encontrar leitores! – disse eu. – Também é uma outra boa razão.

Isso é uma boa treta, Eduardo, uma enormíssima treta. – Replicou o António. – Sabes bem que quando começaste a tua escrita não sabias da possibilidade de eles existirem.

Treta é o que vocês dizem! – Oiçam bem, se assim fosse já teria parado de escrever – disse o velho Jeremias. E aumentou o sorriso da sua cara. Com isto, captou as atenções de todos no mesmo momento e num compasso de silêncio disparou de novo:

- Escrevo porque sou vaidoso e quero que me conheçam, que falem de mim e que me considerem, de preferência, como um excelente escritor!

Seguiu-se uma cruzada de palavras.

- Calma! – berrou. – Um de cada vez. Bem sei que a verdade é sempre difícil de ouvir, e que alguns, embora se revejam nas minhas palavras têm medo de o assumir. Mas eu não! E digo-o com a frontalidade que me reconhecem.

Depois sentou-se no muro. Enquanto os outros o olhavam de pé.

- Onde diabo foste buscar essas ideias? – perguntou o Afonso.

A Manuela abanava a cabeça em negação assumida. Começava a dar sinais de impaciência.

Jeremias agora com um semblante mais sério avançou com o olhar para o grupo e de indicador em riste, mas sem nervosismo aparente, disse:

- Se não quiserem fazer uma reflexão sobre a vossa condição, sobre a vossa escrita e sobre a verdadeira razão que vos impulsiona para escreverem, nunca estarão completos e nunca saberão o que vos domina.

- Quem te disse que nunca o fizemos? – perguntou a Manuela.

- O que eu gostava, se fosse possível, era dar essa oportunidade a cada leitor. – disse eu.

- Como assim, Eduardo? – perguntou o António.

Comecei a explorar umas quantas vontades…

- E se o leitor tivesse a possibilidade, em qualquer parte do livro, de questionar o autor? Não seria de todo interessante? Ou mesmo, depois de ler cada livro, não seria oportuno criarem oportunidades de vários leitores interagirem com o escritor?

António fez um sinal com a mão e de seguida disparou:

- Meus amigos, já estamos a fugir ao desafio que aqui deixei, que relembro, consistia numa simples pergunta: Porque escreves?

 

Intervalo

 

Esta história está a ser escrita. Está, portanto, em aberto e irá continuar, mas agora é a vez de quem lê ter a palavra… por favor, escrevam o que entenderem partilhar.

 

Obrigado.

Até já!

publicado por Montepuez às 17:00
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
Posts mais comentados
4 comentários
2 comentários
2 comentários
1 cometário
1 cometário
1 cometário
1 cometário
1 cometário
1 cometário
1 cometário
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Amigo EduardoVotos de muitas felicidades, sobretud...
Nem só de tempo vive o Homem...
É é isso que nos alimenta o mundo de hoje ou não s...
Venho deixar um abraço com desejos de muitas alegr...
As palavras não são sempre doces. Mas são sempre n...
"Dos meus olhos,caem metáforas, iguarias e espelho...
Muito belo este registo. Quando imagens calam pala...
Eu adoro girassóis. Acho fantástico quando a luz s...
Hoje a vida faz-se de pequenas mensagens escritas ...
Ola Eduardo, estou aqui visitando seu blog pela pr...
blogs SAPO