O blogue serve para dar voz e partilhar os meus escritos sejam poemas, prosas e crónicas ou outro qualquer género literário. Aqui também se divulgam os meus livros. Para quem quiser ler-me... Obrigado pela vossa carinhosa presença!
03 de Novembro de 2010

3.

 

As hostes estavam em alerta e as leituras iam aumentando calmamente. Nós, no Salão Nobre do Palácio da Quinta da Piedade, trocávamos argumentos com a Dr.ª Roselinda. Umas quantas pessoas já ocupavam as cadeiras disponíveis e seguiam atentamente a tertúlia.

Alguém apontou para o grande ecrã onde todos podiam acompanhar o site on-line. Acabara de acontecer um primeiro comentário, de uma dama, claro, com o nome de Ana Kostov e dizia assim, e cito:

- “Em certa medida, segundo creio, todos tem razão... mas uns mais que outros porque há duas verdades fantásticas, a saber: este texto é demasiado grande para o pessoal pegar nele, ou seja, lê-lo. E a malta é mesmo vaidosa e por isso escreve e partilha.” - Ana Kostov

Após a leitura, em voz alta, pelo velho Jeremias gerou-se um burburinho no salão que ninguém percebeu muito bem se era uma reacção positiva ou negativa ao dito comentário.

O Jeremias aproveitou o uso da palavra para continuar, dirigindo-se a todos.

- Caros amigos, amantes da palavra como eu, é com agrado que reconheço alguém que não teme assumir o que anteriormente já tinha assumido. E isto é, a malta é mesmo vaidosa e por isso escreve e partilha, quer gostem ou não, considero ser uma matéria factual.

- Antes de debatermos essa tese devemos introduzir na conversa um outro comentário que aconteceu. – disse eu.

- Permitam-me que o leia. – assumiu a Manuela e começou a ler.

- “Tenho entrado pouco no Luso, só agora me apercebi desta história. Ora...Porque escrevo? Porque desde miúda sempre gostei de escrever, nessa altura, apenas porque gostava, e tinha brio em não dar erros ortográficos. Cresci e comecei a escrever, com outro prazer. Felicitações, temas de ocasião, nesta fase já escrevia em rima. Hoje, escrevo para libertar a alma, o pensamento, a depressão, a irritabilidade. Para recordar o ontem, imaginar o amanhã, sem que alguém me impeça de sonhar. O sonho é livre. A poesia também.
Portanto, escrevo para ser livre
.” – escreveu a luso-poeta  Antonieta.

Sem parar, a Manuela fez uma expressão de concórdia e partilhou:

- Direi, antes de mais, que esta intervenção é muito rica e considero que é feita com alguma profundidade. É algo que encaro com muito poético e inteligente. Penso que assumir a escrita na busca da liberdade é, por um lado, terno e por outro, conhecedor. Rico. E são estas partilhas que nos desbravam caminhos e enriquecem a alma.

- Mas quem escreve tem que ler! E porque lê? – questiona, do nada, a Dr.ª Roselinda aumentando o leque do debate.

- Calma! – alerta o velho Jeremias. Calma que a minha experiência avisa-me que existe muito boa gente que só pensa em escrever e quase nunca lê.

- Pois, pois! Por isso muita gente quando vê algum texto grande, em especial na Internet, passa para o seguinte sem o ler. – afirmou o Afonso.

- Se quiserem, mas é necessário algum trabalho de pesquisa, e até pode ser neste site, podemos encontrar muitos textos sem o mínimo de cuidado na ortografia, ou seja, cheio de erros e mesmo assim com comentários. E reforço, com comentários com uma total ausência desses factos, o que é estranho. – avançou o António.

Não havendo oportunidade para fazer no momento a análise, foi então que ficou decidido enviar mais um pequeno texto para o site. Quase num misto de partilha da conversa e na tentativa de uma maior interacção dos lusos on-line.

Não foi preciso esperar muito tempo, e isto porque a simpática e colaborante Antonieta decidiu colocar um segundo comentário:

- “É certo que de um modo geral, quando se abre algo que se pretende ler, atraído ou pelo título, ou pelo autor, ou seja porque motivo for, e se depara com um texto enorme, há logo a ideia de fechar sem ler. Mas também há títulos, há autores, há textos que nos levam a ler, pensar, reflectir, comentar, ou não, mas fica sempre algo dessa leitura.
Quem sabe, até uma ideia para uma próxima escrita, isto para quem gosta de escrever, claro.

Ao ler este comentário, a Ana, nesse instante pediu a palavra para comentar:

- Concordo em parte com esta intervenção. Há, de facto, alguns autores em que lemos tudo o que encontramos escrito por eles, mas na mesma medida, há outros autores, em que já temos uma ideia preconcebida da sua escrita, que nunca os lemos e até podem colocar imensos textos ou escreverem algo de muito especial que nada acontece! Não vamos lá!

Mas essa é uma velha questão que ninguém a pega.

- Porque vais por esse caminho? – pergunta a Manuela

 

Intervalo

 

Esta história está a ser escrita. Está, portanto, em aberto e irá continuar, mas agora é a vez de quem lê ter a palavra… por favor, escrevam o que entenderem partilhar.

 

Obrigado.

Até já!

publicado por Montepuez às 17:30
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
4 comentários
2 comentários
2 comentários
1 cometário
1 cometário
1 cometário
1 cometário
1 cometário
1 cometário
1 cometário
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Amigo EduardoVotos de muitas felicidades, sobretud...
Nem só de tempo vive o Homem...
É é isso que nos alimenta o mundo de hoje ou não s...
Venho deixar um abraço com desejos de muitas alegr...
As palavras não são sempre doces. Mas são sempre n...
"Dos meus olhos,caem metáforas, iguarias e espelho...
Muito belo este registo. Quando imagens calam pala...
Eu adoro girassóis. Acho fantástico quando a luz s...
Hoje a vida faz-se de pequenas mensagens escritas ...
Ola Eduardo, estou aqui visitando seu blog pela pr...
blogs SAPO