O blogue serve para dar voz e partilhar os meus escritos sejam poemas, prosas e crónicas ou outro qualquer género literário. Aqui também se divulgam os meus livros. Para quem quiser ler-me... Obrigado pela vossa carinhosa presença!
25 de Junho de 2010

As palavras servem para imensas coisas. Servem para acariciar as mentes, ocultar desejos, simular propósitos, atacar e defender ou para apelar à memória. Quem escreve deve ter essa noção e responsabilidade na forma como quer usar as palavras e também deve ter a consciência que irá ser lido por diversos estilos de leitores… Apelar à memória… e porque é disso que hoje se trata. Quando todos estamos concentrados no jogo de futebol do campeonato do mundo entre as selecções de Brasil e Portugal, em que nada importa quem ganha ou quem perde, se a nossa memória esquecer o nosso passado. Melhor, importará no momento e pouco mais, porque depois outros momentos ocuparão cada espaço do leitor e de cada escritor. Não preciso recuar até ao ano de 1500 para apelar à memória, prefiro recorrer aos tempos mais próximos, quase como um jogo, em que o que importa é quem de facto perdeu! E nesse misterioso trajecto, apelidado de jogo, fico perante a tristeza de hoje ser um dia marcante porque faz, exactamente, uma semana que quem perdeu o jogo nos deixou – José de Sousa – mundialmente conhecido por José Saramago. Há, de facto, jogos em que perder não tem a relevância que se quer dar, e outros jogos, como o da vida, que tem muito mais relevância do que aquela que se dá… Tão simples quanto isso, quer se queira ou não. Hoje celebra-se a missa do oitavo dia da sua morte e quase já ninguém se lembra desse facto. Porque a vida tem outros atractivos, porque é intensa e flui com naturalidade ou porque a memória é um músculo que nunca ou pouco foi exercitado. Mas quem perdeu foi a literatura portuguesa e mundial, o que na verdade significa outra realidade; quem perdeu fomos todos! Hoje quis praticar o meu direito de desenvolver este músculo que possuiu que se chama memória, que ao fazê-lo, pratiquei e desenvolvi outros músculos como o da escrita e o do pensamento, num velho hábito que procuro manter. Que ganhe o melhor, no futebol, se isso for assim tão importante, mas que nunca se esqueça a memória de um povo, a razão de um escritor e a consciência do dever. E já agora, não se esqueçam de amanhã, que no auditório do campo grande acontecerá o lançamento do meu primeiro livro de poesia “Metamorfose do Corpo”, para em conjunto saborearmos o doce das palavras. Até lá… Eduardo Montepuez
publicado por Montepuez às 17:58
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
21
22
23
24
28
29
Posts mais comentados
4 comentários
2 comentários
2 comentários
1 cometário
1 cometário
1 cometário
1 cometário
1 cometário
1 cometário
1 cometário
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Amigo EduardoVotos de muitas felicidades, sobretud...
Nem só de tempo vive o Homem...
É é isso que nos alimenta o mundo de hoje ou não s...
Venho deixar um abraço com desejos de muitas alegr...
As palavras não são sempre doces. Mas são sempre n...
"Dos meus olhos,caem metáforas, iguarias e espelho...
Muito belo este registo. Quando imagens calam pala...
Eu adoro girassóis. Acho fantástico quando a luz s...
Hoje a vida faz-se de pequenas mensagens escritas ...
Ola Eduardo, estou aqui visitando seu blog pela pr...
blogs SAPO